Book Chapter

Capítulo

Melo, R. (2022). Desenvolvimento de Produtos Digitais. In Teixeira, S. & Freitas Santos, J. (Orgs.). Tópicos de Marketing Digital (pp. 67-93). Porto. CEOS Edições, https://doi.org/10.56002/ceos.0016ch

Imagem da linha de investigação correspondente

Desenvolvimento de Produtos Digitais

Ricardo Melo Fraunhofer AICOS

Keywords:

Palavras-chave:

Produtos digitais, desenvolvimento de produtos digitais, satisfação dos utilizadores

Source Title Tópicos de Marketing Digital


Date 2022


Abstract

Estamos rodeados por produtos digitais, e o seu impacto na nossa vida é tanto transversal como inestimável. Desde o trabalho ao lazer, à forma como comunicamos uns com os outros, estamos constantemente a interagir com produtos digitais. Alguns destes produtos foram feitos para serem utilizados sem necessitar de formação ou conhecimento prévio (como, por exemplo, televisores, tablets, telemóveis e consolas). Outros servem para cumprir determinadas funções por pessoas especializadas (como software de desenho assistido por computador (CAD), ou software de gestão de relacionamento de clientes (CRM), e necessitam de formação prévia para os poder utilizar. No entanto, o que todos estes produtos têm em comum é que foram feitos, em última instância, para concretizar um objetivo ou necessidade – seja por parte do utilizador (como executar uma tarefa no seu trabalho de forma mais expedita, ou simplesmente escolher um filme que goste numa plataforma de streaming, por exemplo), seja um objetivo de negócio (aumentar a quantidade de vendas bem-sucedidas numa loja online, ou conseguir mais utilizadores registados numa rede social). Criar produtos digitais que respondam às necessidades dos seus utilizadores, assim como às necessidades de negócio, e que sejam agradáveis de utilizar é extremamente complexo. É complexo pois é difícil perceber quais os objetivos, práticas, dificuldades e contexto dos utilizadores finais desses produtos. É igualmente complexo avaliar esses produtos para perceber se estão a cumprir os objetivos para os quais foram criados. Por fim, é difícil compreender a satisfação dos utilizadores para com estes produtos, assim como o impacto que estes terão na vida de quem os usa. Produtos criados sem o envolvimento dos utilizadores poderão não só levar a um produto que falhe nos objetivos para o qual se destina, mas também dar origem a um conjunto de consequências negativas na experiência e perceção do utilizador. De acordo com Cooper et al. (2014: 4), estas consequências podem manifestar-se da seguinte forma em produtos digitais:

• Produtos digitais rudes, ou seja, produtos que culpam os utilizadores de erros que não foram culpa destes, ou foram devidos a problemas no design do produto. Estes produtos questionam utilizadores com mensagem pouco claras, e em muitos casos irritantes e disruptivas.

• Produtos digitais que requerem que as pessoas pensem como computadores. Produtos que foram criados de acordo como foram programados e não da forma como as pessoas pensam e agem. Isto inclui o uso de jargão técnico muitas vezes incompreensíveis ao utilizador comum.

• Produtos digitais com maus hábitos, ou seja, que requerem que o utilizador se recorde de gravar manualmente após qualquer alteração, ou que não oferecem possibilidade de retroceder depois de uma ação, como apagar um ficheiro.

• Produtos digitais que requerem que as pessoas façam a maior parte do trabalho. Estes são produtos que, em vez de poupar tempo ao utilizador, ou simplificar uma ação monótona, acabam por fazer o contrário, tal como desde precisar de reescrever todo um texto, pois o campo não aceita copiar e colar, ou de necessitar de um conjunto de cliques e interações para executar uma tarefa simples.

• Produtos falhados, que, não sendo aceites pelos seus utilizadores e não conseguindo cumprir os objetivos de negócio, poderão significar um impacto negativo substancial nas empresas e nas pessoas que os desenvolvem, pois o desenvolvimento de produtos digitais implica um investimento grande de recursos e pessoas na sua conceção, criação e disseminação. Como tal, é fundamental adequar o desenvolvimento destes produtos às necessidades e requisitos reais das pessoas que os utilizarão, para assegurar que estes respondem verdadeiramente a esses objetivos e, dessa forma, aumentar as probabilidades de aceitação desses produtos por esses utilizadores.


Citation

Melo, R. (2022). Desenvolvimento de Produtos Digitais. In Teixeira, S. & Freitas Santos, J. (Orgs.). Tópicos de Marketing Digital (pp. 67-93). Porto. CEOS Edições, https://doi.org/10.56002/ceos.0016ch

Desenvolvimento de Produtos Digitais
.pdf
Download PDF • 9.30MB

Título de Origem Tópicos de Marketing Digital

Data 2022


Resumo

Estamos rodeados por produtos digitais, e o seu impacto na nossa vida é tanto transversal como inestimável. Desde o trabalho ao lazer, à forma como comunicamos uns com os outros, estamos constantemente a interagir com produtos digitais. Alguns destes produtos foram feitos para serem utilizados sem necessitar de formação ou conhecimento prévio (como, por exemplo, televisores, tablets, telemóveis e consolas). Outros servem para cumprir determinadas funções por pessoas especializadas (como software de desenho assistido por computador (CAD), ou software de gestão de relacionamento de clientes (CRM), e necessitam de formação prévia para os poder utilizar. No entanto, o que todos estes produtos têm em comum é que foram feitos, em última instância, para concretizar um objetivo ou necessidade – seja por parte do utilizador (como executar uma tarefa no seu trabalho de forma mais expedita, ou simplesmente escolher um filme que goste numa plataforma de streaming, por exemplo), seja um objetivo de negócio (aumentar a quantidade de vendas bem-sucedidas numa loja online, ou conseguir mais utilizadores registados numa rede social). Criar produtos digitais que respondam às necessidades dos seus utilizadores, assim como às necessidades de negócio, e que sejam agradáveis de utilizar é extremamente complexo. É complexo pois é difícil perceber quais os objetivos, práticas, dificuldades e contexto dos utilizadores finais desses produtos. É igualmente complexo avaliar esses produtos para perceber se estão a cumprir os objetivos para os quais foram criados. Por fim, é difícil compreender a satisfação dos utilizadores para com estes produtos, assim como o impacto que estes terão na vida de quem os usa. Produtos criados sem o envolvimento dos utilizadores poderão não só levar a um produto que falhe nos objetivos para o qual se destina, mas também dar origem a um conjunto de consequências negativas na experiência e perceção do utilizador. De acordo com Cooper et al. (2014: 4), estas consequências podem manifestar-se da seguinte forma em produtos digitais:

• Produtos digitais rudes, ou seja, produtos que culpam os utilizadores de erros que não foram culpa destes, ou foram devidos a problemas no design do produto. Estes produtos questionam utilizadores com mensagem pouco claras, e em muitos casos irritantes e disruptivas.

• Produtos digitais que requerem que as pessoas pensem como computadores. Produtos que foram criados de acordo como foram programados e não da forma como as pessoas pensam e agem. Isto inclui o uso de jargão técnico muitas vezes incompreensíveis ao utilizador comum.

• Produtos digitais com maus hábitos, ou seja, que requerem que o utilizador se recorde de gravar manualmente após qualquer alteração, ou que não oferecem possibilidade de retroceder depois de uma ação, como apagar um ficheiro.

• Produtos digitais que requerem que as pessoas façam a maior parte do trabalho. Estes são produtos que, em vez de poupar tempo ao utilizador, ou simplificar uma ação monótona, acabam por fazer o contrário, tal como desde precisar de reescrever todo um texto, pois o campo não aceita copiar e colar, ou de necessitar de um conjunto de cliques e interações para executar uma tarefa simples.

• Produtos falhados, que, não sendo aceites pelos seus utilizadores e não conseguindo cumprir os objetivos de negócio, poderão significar um impacto negativo substancial nas empresas e nas pessoas que os desenvolvem, pois o desenvolvimento de produtos digitais implica um investimento grande de recursos e pessoas na sua conceção, criação e disseminação. Como tal, é fundamental adequar o desenvolvimento destes produtos às necessidades e requisitos reais das pessoas que os utilizarão, para assegurar que estes respondem verdadeiramente a esses objetivos e, dessa forma, aumentar as probabilidades de aceitação desses produtos por esses utilizadores.


Citação

Melo, R. (2022). Desenvolvimento de Produtos Digitais. In Teixeira, S. & Freitas Santos, J. (Orgs.). Tópicos de Marketing Digital (pp. 67-93). Porto. CEOS Edições, https://doi.org/10.56002/ceos.0016ch

Desenvolvimento de Produtos Digitais
.pdf
Download PDF • 9.30MB

REFERENCES

Ícone para fechar conteúdo adicional
Ícone para fechar conteúdo adicional

Blomberg, D. J., & Karasti, H. (2012). Ethnography: Positioning ethnography within participatory design. In Routledge international handbook of participatory design (pp. 106-136). Routledge.


Cooper, A., Reimann, R., Cronin, D., & Noessel, C. (2014). About face: the essentials of interaction design. John Wiley & Sons.


Dillman D. Mail and Internet Surveys: The Tailored Design Method. New York: John Wiley & Sons; 2000.


Dix, A. J., Finlay, J., Abowd, G. D., & Beale, R. (2004). Human-computer interaction. Pearson Education.


Donahue, G. M., Weinschenk, S., & Nowicki, J. (1999). Usability is good business. Compuware Corp., julio.


Dourish, P. (2006). Implications for design. In Proceedings of the SIGCHI conference on Human Factors in computing systems (pp. 541-550).


Fessenden, T. (2021). Design Systems 101. Nielsen Norman Group. https://www.nngroup.com/articles/design-systems-101/


Hanington, B., & Martin, B. (2019). Universal methods of design expanded and revised: 125 Ways to research complex problems, develop innovative ideas, and design effective solutions. Rockport publishers.


Henrich, J., Heine, S. J. & Norenzayan, A. (2010). Most people are not WEIRD. Nature, 466(7302), 29-29.


ISO, B. & STANDARD, B. (2010). Ergonomics of human-system interaction.


Krueger, R. A. (2014). Focus groups: A practical guide for applied research. Sage publications.


Krug, S. (2000). Don’t make me think!: a common sense approach to Web usability. Pearson Education India.


Lazar, J., Feng, J. H., & Hochheiser, H. (2017). Research methods in human-computer interaction. Morgan Kaufmann.


Nielsen, J. (2020a). 10 Usability Heuristics for User Interface Design. Nielsen Norman Group. https://www.nngroup.com/articles/ten-usability-heuristics/


Nielsen, J. (2020b). Usability 101: Introduction to Usability. Nielsen Norman Group. https://www.nngroup.com/articles/usability-101-introduction-to-usability/


Norman, D. (2013). The Design of Everyday Things: Revised and Expanded Edition. Basic books.


Robson, C., (2002). Real World Research. Blackwell Publishing, Malden, MA.


Shneiderman, B., Plaisant, C., Cohen, M. S., Jacobs, S., Elmqvist, N., & Diakopoulos, N. (2016). Designing the user interface: strategies for effective human-computer interaction. Pearson.


Tidwell, J. (2010). Designing interfaces: Patterns for effective interaction design. “ O’Reilly Media, Inc.


Tognazzini, B. (2014). First principles of interaction design. Interaction design solutions for the real world, AskTog.

88x31.png

This is open access content distributed under the Creative Commons Attribution License which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.